Saúde e Massagem
Aqui você poderá encontrar as respostas para as perguntas mais freqüentes

01 - Os produtos dietéticos podem ser consumidos à vontade?
Os produtos dietéticos vendidos na Diet & Light - Life Care são produtos que não contém açúcar (sacarose). Isso não significa que qualquer diabético possa ingerí-los em quantidades maiores ou menores. Produtos dietéticos podem conter gorduras, hidratos de carbono e outros tipos de açúcares como a frutose e a lactose. Só o médico ou nutricionista poderá dosar, ou mesmo proibir, a ingestão deles de acordo com a situação particular do paciente.

02 - Os produtos dietéticos podem ser consumidos em dietas de emagrecimento? 
Emagrecimento é, assim como diabetes, um assunto médico. Deve ser tratado conforme orientação profissional para que se obtenha resultados satisfatórios sem danos a saúde. Muitos produtos dietéticos possuem menos calorias e hidratos de carbono do que os regulares. Isso não significa que possam ser consumidos sem comprometer dietas de emagrecimento. Os produtos dietéticos comercializados na Diet & Light - Life Care são destinados a dietas de diabéticos acompanhados por profissionais médicos que determinarão o consumo e quantidade adequadas para cada caso.

03 - Qualquer diabético pode ingerir "chás" para tratamento do diabetes ? 
É muito comum diabéticos fazerem uso de terapias alternativas. São receitas caseiras como chá de jambolão, pata-de-vaca e tantos outros, sendo que alguns podem mesmo interferir na glicemia. Medicações deste tipo costumam apresentar inúmeros efeitos não conhecidos ou estudados. Não se sabe a dose adequada a ser ingerida ou se provocam efeitos cardíacos, se alteram a pressão arterial ou que efeito trazem a mulheres grávidas. Dúvidas desta natureza são fundamentais para o uso de qualquer medicação. Embora sejam em sua maioria produtos naturais não fica excluída a possibilidade de provocarem efeitos colaterais indesejáveis ou mesmo graves. Recentemente, a Associação de Diabetes Americana publicou um consenso com relação às terapias não comprovadas, desaconselhando o uso desses recursos até que sejam estudados em centros de referência especializados. Lembre-se que um medicamento passa por um processo de pesquisas e estudos em laboratórios para serem avaliados seus efeitos antes de aprovados para comercialização. Na Diet & Light - Life Care somente são comercializados medicamentos aprovados pelo Ministério da Saúde. 

04 - Quanto tempo dura um frasco de insulina ?
As insulinas são comercializadas em frascos de 10 ml. 1 ml de insulina corresponde a 100 unidades, portanto um frasco de insulina contém 1000 unidades. Para saber precisamente quanto vai durar o frasco de insulina basta dividir 1000 pelo número de unidades diárias administradas. Há insulinas distribuídas em embalagens apropriadas para "canetas aplicadoras", chamadas de Refil ou Penfil. Cada refil contém 1,5 ml, ou seja, 150 unidades. Portanto, as embalagens comercializadas com 5 refis contém 750 unidades.

05 - Posso reutilizar produtos descartáveis como seringas e lancetas ? 
Seringas e lancetas são produtos feitos para uma única utilização e descarte. Muitos acreditam que por serem utilizados somente por uma pessoa não existam problemas na reutilização. Além de causar desconforto ao usuário, esta prática pode provocar infeções nos locais de aplicação. Considerando serem itens de baixo custo, a reutilização desses produtos descartáveis não é uma economia inteligente. 

06 - Qual a diferença entre insulinas L e N (Lenta e NPH)? 
Ambas são insulinas de ação intermediária. Diferem apenas em sua composição na substância que determina a redução da velocidade de ação. A insulina lenta contém alta concentração de zinco enquanto na NPH éa protamina que desempenha esta ação. 

07 - Qual o procedimento correto para se misturar insulinas ?
Para misturar insulinas, use sempre insulinas Regular e NPH. Quando for necessário misturar na mesma seringa recomenda-se proceder da seguinte forma: 
a) Desinfetar com um Sachê de Álcool as tampas dos frascos. 
b) Injetar ar no frasco de insulina NPH, na quantidade equivalente às unidades a serem aspiradas e retirar a agulha do frasco pressionando o êmbolo da seringa para que o ar não retorne. 
c) Injetar ar no frasco de insulina Regular, mantendo-o de cabeça para baixo, na quantidade equivalente as unidades a serem aspiradas. 
d) Aspirar a insulina Regular e retirar a agulha do frasco. 
e) Introduzir a agulha da seringa no frasco de insulina NPH com cuidado para não injetar insulina Regular. 
f) Aspirar a insulina NPH na quantidade indicada. 
Deve-se sempre fazer o cálculo da mistura antes de prepará-la. Assim, se for utilizar 7 unidades de insulina R e 30 unidades de NPH o total da seringa deve somar 37 unidades. O procedimento deve ser o mais cauteloso e exato possível para não incorrer em erros de dosagens. 

08 - Só existem insulinas pré-misturadas de N com R (nas várias proporções)?
Sim. As misturas destes dois tipos de insulinas são estáveis e mantém suas ações independentes por longo tempo. Isto já não ocorre quando se mistura L (ou U) com R. O excesso de zinco das insulinas L e U incorpora proporções variáveis de R, resultando em ações não previsíveis logo após a mistura. 

09 - Como comparar glicemias entre monitores? 
Existem fatores básicos que podem interferir diretamente nos resultados. Erros nos procedimentos do exame são muito freqüentes embora o usuário sempre acredita que está operando corretamente, mesmo sem consultar adequadamente o manual. 
a) A utilização de glicosímetros deve ser feita através de amostras capilares de sangue. 
b) As tiras reagentes em sua maioria exibem validade referente ao frasco fechado. Uma vez aberto, os reagentes estão expostos a umidade e devem ser consumidos em prazo médio de cinco meses. 
c) Amostras de sangue muito reduzidas podem determinar um resultado incorreto ou até mesmo, dependendo do modelo, serem recusadas pelo aparelho. 
d) Lavar as mão antes de iniciar o procedimento também pode evitar que substâncias interfiram nos resultados. 
e) Produtos químicos utilizados por manicures, como acetona, também podem determinar resultados imprecisos. 
No caso de uma comparação entre glicosímetros é recomendado o uso de modelos idênticos e tiras do mesmo frasco. Havendo qualquer problema será mais fácil a identificação. Os vários glicosímetros trazem testes de verificação tanto das tiras como de calibragem dos aparelhos e devem ser 
utilizados periodicamente. 
Os exames feitos em laboratório utilizam amostras sangüíneas venosas retiradas através de coletores que muitas vezes contém anti-coagulantes e não devem ser utilizadas em glicosímetros. 
Para se comparar exames laboratoriais aos de glicosímetros, deve-se levar o aparelho a um laboratório de confiança, coletar o sangue e em seguida puncionar o dedo para fazer o teste no monitor. É importanteque as duas análises sejam feitas com amostras retiradas no mesmo momento. Vários 
fatores podem fazer oscilar a glicemia em um curto espaço de tempo, como movimentos corporais, choques emocionais, ingestão de alimentos e muitas outras interferências metabólicas. Ainda assim, respeitando estas observações, diferenças de até 10% são aceitáveis. 

10 - Como comparar glicosúrias com glicemias? 
O teste de glicose na urina é um teste retrospectivo, isto é, retrata a glicose excessiva no sangue no momento da produção da urina e não no momento do exame. Portanto não é uma medida precisa dos níveis glicêmicos. Os resultados de testes de urina podem também sofrer interferência quando se utiliza vitamina C, alguns antibióticos, ou até mesmo quando a coleta da urina for feita em recipientes contendo resíduos de detergentes. As tiras reagentes para glicosúria devem ser manuseadas com cuidado. São sensíveis a luz, temperaturas extremas e umidade. A presença de cetonúria na ausência de glicosúria pode sugerir valores baixos de glicemia. 

11 - Qual a finalidade do(s) líquido(s) que vem nos kits de glicosímetros? 
Os líquidos que acompanham os aparelhos são soluções de glicose que têm por finalidade testar se as tiras reagentes estão em condições ideais de utilização. É muito comum o usuário, acreditando que o líquido serve apenas para limpeza, danificar partes dos aparelhos que só podem ser limpas a seco, e, portanto, comprometendo por completo seu funcionamento. 

12 - Você tem a fita com o código n.º xxxx? 
Para que os testes glicêmicos efetuados em glicosímetros tenham maior precisão, cada lote de tiras fabricado tem uma calibragem determinada. Sempre que se abre um novo frasco de tiras, deve-se calibrar o aparelho. Uma vez que o usuário se acostuma com determinada calibragem de um lote comprado anteriormente, existe uma tendência de voltar a procurar pelo mesmo. É difícil que no retorno o cliente encontre disponível o mesmo lote em estoque. A recalibragem dos glicosímetros de acordo com as tiras é um procedimento normal no uso dos aparelhos e muito fácilde se praticar. 

13 - Quantas vezes ao dia deve-se fazer a glicemia? 
A glicemia tem oscilação constante nos diabéticos. Esta oscilação deve ser minimizada e para isso é necessário que se faça periodicamente exames glicêmicos. Conforme demonstrado em 1993, pelo Diabetes Complication Control Trial, DCCT (estudo do controle das complicações do diabetes), o ideal é o acompanhamento dos níveis de glicemia várias vezes ao dia. É através destas informações que o diabético vai se orientar para obter um controle ideal. Porém, esta também é uma orientação que o cliente vai receber de seu médico. 

14 - Qual o significado da existência de corpos cetônicos na urina? 
Corpos cetônicos (acetona, ácido aceto-acético e ácido beta-hidóxibutílico), são produzidos a custa do catabolismo (quebra) das gorduras. O diabético descompensado, por falta de ação da insulina, não consegue que a glicose entre na célula para gerara energia necessária. Ocorre então a hiperglicemia com conseqüente glicosúria. A necessidade de energia perdura e o organismo lança mão de outras fontes que não a glicose. A principal fonte é a gordura, que, ao ter suas moléculas quebradas (catabolismo) gera corpos cetônicos que serão eliminados pela respiração (hálito cetônico) e pela urina (cetonúria). Quando a célula é privada de glicose por jejum prolongado ou excesso de atividade física, mesmo em indivíduos não diabéticos, pode surgir cetonúria, sem glicosúria. 

15 - Como comparar glicemias feitas em monitores com as feitas em laboratórios? 
Os exames feitos em laboratório utilizam amostra sangüínea venosa retirada através de coletores que muitas vezes contém anti-coagulantes e que, portanto,não deve ser utilizada em glicosímetros. Para se comparar exames laboratoriais aos de glicosímetros, deve-se levar o aparelho a um laboratório de confiança, coletar o sangue para o exame laboratorial e, em seguida, puncionar o dedo para fazer o teste no monitor. É importante que as duas análises sejam feitas com amostras retiradas no mesmo momento. Vários fatores podem fazer oscilar a glicemia em um curto espaço de tempo, como choques emocionais, ingestão de alimentos e muitas outras interferências metabólicas. Ainda assim, respeitando estas observações, diferenças de até 10% são perfeitamente aceitáveis.

Voltar ...

  enviar a um amigo imprimir